Almeida Henriques rejeita qualquer ligação à Operação Éter (c/ áudio) - Edição Jornal
23136
post-template-default,single,single-post,postid-23136,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Almeida Henriques rejeita qualquer ligação à Operação Éter (c/ áudio)

Almeida Henriques rejeita qualquer ligação à Operação Éter (c/ áudio)

O presidente da Câmara de Viseu, Almeida Henriques diz-se “estupefacto e indignado” por ver o seu nome “associado aos interesses ou atividades do empresário José Agostinho” e acrescenta que “não tem, nem nunca teve, qualquer relação de sociedade, direta ou indireta” com o empresário.

Foi a reação, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias (JN), em que o autarca estaria a ser investigado pela Polícia Judiciária, suspeito de envolvimento no caso de corrupção e viciação de contratos no Turismo do Porto e Norte de Portugal, e eventuais ligações entre o empresário viseense José Agostinho, o ex-presidente do Turismo do Norte, Melchior Moreira, natural de Lamego e antigo deputado do PSD eleito por Viseu e Almeida Henriques.

O presidente da Câmara Municipal de Viseu reafirma a sua inocência e rejeita qualquer ligação ao caso, mostrando-se indignado por ver o seu nome envolvido no caso.

 

Criticou ainda o que classificou “linchamento em praça pública” e que a notícia serviu para laçar “lama em cima de um cidadão que tem 57 anos” e “uma intervenção à prova de bala, impoluta, responsável, com sentido cívico, de serviço à comunidade”, acrescentou em conferência de imprensa.

Almeida Henriques confirmou as buscas na autarquia no passado dia 22 de junho, e diz-se tranquilo, garantindo que foram dados à PJ todos os elementos que a autarquia tinha à disposição.

Reafirmou que a autarquia de Viseu nunca desenvolveu qualquer projeto com o Turismo do Porto e Norte de Portugal, havendo apenas “um contrato que foi aprovado por unanimidade, em outubro de 2016, que previa uma contrapartida de 9.800 euros na Câmara de Viseu na criação de uma loja interativa, que nunca chegou a acontecer”… acrescentou que o protocolo acabou por não se concretizar e o valor não foi pago.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm