Bacias hidrográficas com mais água que em 2017 - Edição Jornal
24537
post-template-default,single,single-post,postid-24537,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Bacias hidrográficas com mais água que em 2017

Bacias hidrográficas com mais água que em 2017

A maior parte das bacias hidrográficas tinha no fim de dezembro menos água armazenada do que a média das últimas três décadas, mas mais do que no final de 2017.

Os números dizem a 31 de dezembro, comparando com novembro, o volume de água armazenada subiu em seis bacias monitorizadas – Ave, Douro, Ribeiras do Oeste, Sado, Guadiana e Barlavento, e desceu em outras seis, Lima, Cávado, Mondego, Tejo, Mira e Arade.

No geral, há menos água em nove das 12 bacias hidrográficas quando comparando com a média desde 1990/91. As exceções são as bacias do Ave, Guadiana e Arade.

Já na comparação com dezembro de 2017 há mais água em todas as bacias hidrográficas, com exceção da do Rio Lima.

No Sado, um dos que mais sofreu com a seca de 2017, há nesta altura o dobro de água armazenada que no ano passado.

Já quanto às barragens, as 11 que nesta altura estão com menos de 40% da sua capacidade máxima representam menos de metade das 24 que em 2017 registavam esses valores… das 60 que em Portugal são monitorizadas, há 11 com a capacidade de armazenamento de água acima dos 80%.

Janeiro não deverá melhorar a situação já que a previsão do tempo não prevê chuva pelo menos até meio do mês.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm