Caminhada, literatura e teatro para promover a região de Montemuro - Edição Jornal
27723
post-template-default,single,single-post,postid-27723,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Caminhada, literatura e teatro para promover a região de Montemuro

Caminhada, literatura e teatro para promover a região de Montemuro

Uma caminhada com cerca de 24 quilómetros, que percorre três concelhos na Serra do Montemuro, acompanhada pela literatura e o teatro, é a proposta de três associações que querem promover a região.

O projeto chama-se “Caminhadas literárias pelo Montemuro” e junta a Associação Mcher (Movimento cívico castrense de história etnografia e regionalismo), de Castro Daire, ainda a Associação de Defesa do Vale do Bestança, de Cinfães, e a Associação de Defesa do Vale de Cabrum, de Resende.

Está marcado para 8 de junho, a partir das 09h00, com saída da aldeia do Feirão, em Resende, e ao longo do percurso, que termina na aldeia de Aveloso, em Cinfães, os participantes vão ouvir leituras de obras de autores que escreveram sobre o Montemuro, e haverá ainda encenações teatrais baseadas em obras de escritores como Eça de Queiroz, Aquilino Ribeiro, Abel Botelho, Amorim Girão, Joaquim Rodrigues da Cunha ou Orlando Ribeiro.

A primeira encenação ocorre na aldeia do Feirão, local onde foi colocado o padre Amaro, na obra ‘O crime do padre Amaro’, de Eça de Queirós. Seguem-se duas encenações na aldeia da Gralheira, e uma na Alagoa de São João.

Na Gralheira, recomeça a caminhada para as Portas do Montemuro, em Castro Daire. Os caminhantes seguem depois para a aldeia de Aveloso onde os espera a gastronomia regional e um baile serrano, e a oportunidade de aprenderem a dança secular do Montemuro, a contradança.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm

*****