CIM VISEU DÃO LAFÕES QUER 38 KM DE CICLOVIAS NA REGIÃO - Edição Jornal
45277
post-template-default,single,single-post,postid-45277,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

CIM VISEU DÃO LAFÕES QUER 38 KM DE CICLOVIAS NA REGIÃO

CIM VISEU DÃO LAFÕES QUER 38 KM DE CICLOVIAS NA REGIÃO

A Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões quer construir 38 quilómetros de ciclovias ou vias pedonais no perímetro urbano dos seus 14 municípios, no âmbito de uma candidatura ao Programa Operacional (PO) Centro 2020.

Em comunicado, a CIM explica que submeteu ao PO Centro 2020 a candidatura “Mobilidade Suave em Viseu Dão Lafões – Projeto Intermunicipal de Promoção da Mobilidade Urbana Multimodal Sustentável”.

“Com um montante de investimento previsto de 6,8 milhões de euros, esta candidatura tem como objetivo reforçar a aposta em ações de descarbonização do território, com especial enfoque no transporte nas zonas urbanas, através da promoção da mobilidade urbana multimodal sustentável”, justifica.

Neste âmbito, para além da construção dos 38 quilómetros de ciclovias ou vias pedonais, está prevista a aquisição de modos de transporte não motorizados para uso público.

Esta medida será “associada à constituição de uma rede pública de bicicletas para uso partilhado”, que prevê, para já, “a disponibilização de mais de uma centena de bicicletas partilhadas, 41 estações e 320 docas”, explica a CIM Viseu Dão Lafões.

“A implementação de uma plataforma de mobilidade de suporte à operação e gestão da mobilidade no território, incluindo os transportes públicos e transporte flexível”, e “a integração de todas as soluções de mobilidade do território numa aplicação móvel destinada ao cidadão”, são outras medidas, acrescenta.

Segundo o secretário executivo da CIM, Nuno Martinho, o objetivo desta candidatura é dinamizar, um pouco por todo o território, “a adoção de uma política de mobilidade de baixo teor carbónico, tendo presente as vantagens ambientais, sociais e económicas que a adoção de políticas públicas de proteção do meio ambiente e de valorização dos recursos endógenos tem na melhoria da qualidade de vida de todos os munícipes”.

“Com esta iniciativa, a que se juntam outras já desenvolvidas e a desenvolver, pretendemos tornar a nossa região mais desperta e ativa para atitudes ambientalmente mais responsável” e também “criar condições mais favoráveis para a utilização da bicicleta”, sublinha.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm.