Diretores e coordenadores do Centro Hospitalar Tondela-Viseu suspendem funções - Edição Jornal
19505
post-template-default,single,single-post,postid-19505,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Diretores e coordenadores do Centro Hospitalar Tondela-Viseu suspendem funções

Diretores e coordenadores do Centro Hospitalar Tondela-Viseu suspendem funções

Os diretores de serviços de unidades e os coordenadores de valências do Centro Hospitalar Tondela-Viseu apresentaram a suspensão de funções, em protesto contra o que classificam de “degradação progressiva de vários serviços”.

Num abaixo-assinado, subscrito por 33 clínicos do hospital, entre as várias críticas que fazem, apontam o que dizem ser “o desaparecimento completo da atividade do diretor clínico”, Cílio Correira, que é também presidente da administração do Centro Hospitalar Tondela-Viseu.

Os diretores de serviços, de unidades e coordenadores de valências criticam ainda o que chamam de “desarticulação completa entre os órgãos de tutela intra-hospitalar”, que, consideram, impede a adoção de sistemas informáticos na planificação do trabalho clínico diário e tem uma “influência negativa na gestão hospitalar”…  além disso, apontam a falta de “um diretor clínico a tempo inteiro”.

Sobre este caso, o presidente da Ordem dos Médicos da região Centro, Carlos Cortes, lembrou que os problemas no CHTV se têm avolumado nos últimos tempos, dando como exemplo o caso da unidade oncológica que ficou sem capacidade de resposta para os seus doentes. A culpa, considera, é da lógica “economicista” com que o Hospital de Viseu tem sido gerido.

Sobre este caso, Cílio Correia, confirmou a recepção da carta e mostrou-se disponível para resolver as situações levantadas no abaixo-assinado.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária-96.8 FM ou em www.968.fm.