Enfermeiros queixam-se que a frota automóvel para apoio domiciliário está “velha” - Edição Jornal
36384
post-template-default,single,single-post,postid-36384,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Enfermeiros queixam-se que a frota automóvel para apoio domiciliário está “velha”

Enfermeiros queixam-se que a frota automóvel para apoio domiciliário está “velha”

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses diz que a frota automóvel na região de Viseu está “velha” e “sem condições” para prestar o serviço de apoio domiciliário.

Segundo o sindicato, “faltam viaturas adequadas ao serviço domiciliário” adiantando que os profissionais sentem dificuldade em conseguir cumprir todo o serviço em viaturas que, em média, têm cerca de 25 anos. Dizem ainda que os carros que usam nem sequer estão preparados para que seja feita uma separação seletiva dos resíduos produzidos durante o serviço.

Em conferência de imprensa, o sindicato denunciou também a “falta de pagamento do subsídio de refeição para os enfermeiros que trabalham ao sábado” adiantando que, num universo superior a 200 enfermeiros no Agrupamento dos Centros de Saúde (ACeS) de Dão Lafões, cerca de 70 não têm subsídio.

Às queixas do sindicato, o diretor executivo do agrupamento, António Cabrita Grade, reconheceu que “a frota automóvel é antiga e que apresenta algumas deficiências” mas deixou a garantia que “as viaturas têm todas as condições de segurança”. Quanto aos subsídios para quem trabalha ao sábado, reconhece o problema que diz que não é exclusivo dos enfermeiros, e que estarão em fase de resolução.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm.