FARMINHÃO E RESENDE DOIS DOS CASOS DE VACINAÇÃO IRREGULAR SOB INVESTIGAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO - Edição Jornal
44984
post-template-default,single,single-post,postid-44984,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

FARMINHÃO E RESENDE DOIS DOS CASOS DE VACINAÇÃO IRREGULAR SOB INVESTIGAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO

FARMINHÃO E RESENDE DOIS DOS CASOS DE VACINAÇÃO IRREGULAR SOB INVESTIGAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO

O Ministério Público instaurou inquéritos relacionados com as irregularidades na vacinação à covid-19, detetadas em várias IPSS, entre as quais a Associação de Solidariedade Social de Farminhão, no concelho de Viseu, e na Misericórdia de Resende.

No total, são 33 inquéritos em todo o país, sete na área da Procuradoria-Geral Regional de Lisboa, oito na área do Porto, dez na área de Coimbra e oito na área da Procuradoria-Geral Regional de Évora, informa em nota à imprensa.

“Foram instaurados inquéritos relativamente a factos noticiados relativos a instituições particulares de solidariedade social de Castelo Branco, Farminhão, Resende e Trancoso ou relacionados com a vacinação de responsáveis autárquicos de Lisboa, Portimão e Reguengos de Monsaraz”, pode ler-se.

Em Farminhão, entre outros colaboradores, foram vacinados três dirigentes da associação, assim como a mulher e a filha do diretor, situação que levou mesmo a Ordem dos Enfermeiros a apresentar queixa.

Em Resende, Jaime Alves, de 44 anos, provedor da Santa Casa da Misericórdia de Resende, foi na altura alvo de duras críticas por não ter recusado receber a vacina, na ocasião justificando que “foi vacinado mediante os critérios que foram definidos pela Autoridade de Saúde, visto que está em contacto permanente com os utentes e que lhes presta atividade direta”.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm.