GOVERNO PREPARA 'DESCONFINAMENTO' SEM DATAS, POR SETORES E POR REGIÕES - Edição Jornal
45222
post-template-default,single,single-post,postid-45222,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

GOVERNO PREPARA ‘DESCONFINAMENTO’ SEM DATAS, POR SETORES E POR REGIÕES

GOVERNO PREPARA ‘DESCONFINAMENTO’ SEM DATAS, POR SETORES E POR REGIÕES

O desconfinamento em Portugal deverá começar em março, com a abertura de creches e pré-escolar, adianta o jornal Expresso, que cita fonte do Governo para adiantar que o plano que vai ser divulgado a 11 de março não tem datas concretas, mas apenas setores e regiões.

A 26 de fevereiro, o Conselho de Ministros decidiu manter inalteradas as regras restritivas de combate à pandemia, considerando que a situação pandémica continuava a ser bastante pior do que em setembro, aquando da declaração do estado de contingência, e do que em maio, quando se iniciou o desconfinamento na sequência da primeira vaga.

Nesse dia, António Costa adiantou que o plano de desconfinamento do País será apresentado a 11 de março. Segundo o jornal Expresso desta sexta-feira, o “esboço” do plano que António Costa pediu a um grupo de peritos, e que vai apresentar na reunião do Infarmed da próxima segunda-feira, não inclui um calendário, ao contrário do que aconteceu no ano passado, quando o plano de desconfinamento foi dividido em três etapas, por quinzenas.

“Se esse tinha três passos definidos, avançando de 15 em 15 dias até 1 de junho, este não traz um calendário definido — confirma uma fonte do Governo. Estará, ao invés, preso a um conjunto de critérios que terão de ser cumpridos para se poder seguir para a etapa seguinte de ‘libertação’ de atividades. Dito de outra forma: quando for apresentado, o plano (provisório) não terá calendário, ou seja, fim definido”, refere o semanário, dando conta que terá “alívios diferentes, uma parte a nível nacional, outra diferente conforme os indicadores a nível local”.

O primeiro-ministro já desvendou que a reabertura da economia será gradual e irá abranger “progressivamente sucessivas atividades”. Mas, de acordo com o semanário, a passagem a cada fase seguinte não será calendarizada. Irá depender do cumprimento de uma série de critérios de saúde pública e acompanhará a evolução das campanhas de rastreio e vacinação.

António Costa também sinalizou que o desconfinamento poderá ter níveis diferentes de acordo com a região do país. E, segundo o semanário, é isso que está previsto. Deverá haver um alívio de restrições a nível local e outro a nível nacional, dependendo do estado da pandemia em cada região.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm.