Greve no Centro Hospitalar Tondela-Viseu teve alto nível de adesão - Edição Jornal
21578
post-template-default,single,single-post,postid-21578,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Greve no Centro Hospitalar Tondela-Viseu teve alto nível de adesão

Greve no Centro Hospitalar Tondela-Viseu teve alto nível de adesão

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses garante que a greve que convocou para o Centro Hospitalar Tondela-Viseu teve altos níveis de adesão e superou as expectativas.

Segundo os números avançados, durante o dia de terça, a greve teve uma adesão de 67% no hospital de Viseu e de 90% no hospital de Tondela.

No Hospital de S. Teotónio, em Viseu, a paralisação afetou sobretudo o bloco operatório com todas as cirurgias canceladas, excetos as urgências.

No Hospital Cândido de Figueiredo, em Tondela, avança o sindicato, a greve dos enfermeiros não permitiu consultas e obrigou a fechar o bloco operatório, e nos serviços de internamento foram apenas assegurados os cuidados mínimos, acrescenta o sindicato.

Um dos motivos desta greve passa pela reivindicação dos enfermeiros em que sejam “descongeladas as progressões” situação que ainda não aconteceu no Centro Hospitalar Tondela-Viseu.

Lembra o sindicato, que “o conselho de administração tem autonomia para avançar com o processo”, considerando que a situação já poderia ter sido desbloqueada “desde Janeiro”.

Há ainda a questão da falta de pagamento do suplemento remuneratório a alguns enfermeiros especialistas, e também a reivindicação da contratação de mais enfermeiros, reconhecendo o sindicato que alguns foram já contratados mas considera que “o número é ainda insuficiente” face às necessidades.

“60 a 100 enfermeiros, no mínimo”, é o número de profissionais que o sindicato diz que necessita ser contratado.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm.