"O Homem que Matou o Diabo" de Aquilino Ribeiro vai ser reeditado - Edição Jornal
22889
post-template-default,single,single-post,postid-22889,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

“O Homem que Matou o Diabo” de Aquilino Ribeiro vai ser reeditado

“O Homem que Matou o Diabo” de Aquilino Ribeiro vai ser reeditado

“O Homem que Matou o Diabo”, considerado o romance negro de Aquilino Ribeiro, vai ser reeditado.

A obra retrata a situação política e social que se vivia em Portugal em 1930, e volta agora aos escaparates para assinalar os 55 anos da morte do autor.

Traçando rotas entre Portugal, Espanha e França, “O homem que matou o diabo” é considerado “um retrato cru que não ignora a situação política e social que se vivia em Portugal em 1930, no rescaldo da Implantação da República e da Primeira Guerra Mundial, numa altura em que imperava em Portugal um sistema totalitário”, adianta em comunicado a editora Bertrand, que tem estado a reeditar toda a obra de Aquilino Ribeiro.

Com prefácio de Serafina Martins, professora universitária de literatura, especialista na obra de Aquilino Ribeiro, esta reedição chega às livrarias no dia 19 e tem o lançamento previsto para o dia seguinte, na Escola Secundária Alves Martins, em Viseu.

Aquilino Ribeiro nasceu no concelho de Sernancelhe, distrito de Viseu, em 1885, e morreu em Lisboa em 1963, tendo deixado uma vasta obra em que cultivou todos os géneros literários.

Os seus restos mortais repousam no Panteão Nacional.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou www.968.fm