JOSÉ COSTA É O NOVO PRESIDENTE DO POLITÉCNICO DE VISEU - Edição Jornal
47428
post-template-default,single,single-post,postid-47428,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

JOSÉ COSTA É O NOVO PRESIDENTE DO POLITÉCNICO DE VISEU

JOSÉ COSTA É O NOVO PRESIDENTE DO POLITÉCNICO DE VISEU

José Costa é o novo presidente do Instituto Politécnico de Viseu (IPV) para o quadriénio 2021/2025. Foi eleito por 23 dos 30 conselheiros com direito a voto, derrotando por larga margem João Monney Paiva, presidente no último quadriénio, e que cessa agora funções.

Há quatro anos José Costa também se tinha candidatado ao cargo, numa eleição com três candidatos, mas perdeu, por um voto, para João Monney Paiva.

Com 59 anos, o novo presidente do Politécnico de Viseu é doutorado em Ciências da Saúde, e há cerca de duas décadas que é o professor coordenador da Escola Superior de Saúde, onde tirou a licenciatura, tendo, mais tarde, concluído uma segunda licenciatura na Faculdade de Medicina Dentária, da Universidade Católica de Viseu.

“Voltei a candidatar-me, porque foi um apelo da comunidade académica que, ao longo dos quatro anos, foi sempre solicitando a minha disponibilidade para equacionar nova candidatura. Sempre disse que poderia equacionar se fosse um elemento agregador para a instituição, se não, não faria sentido”, disse após ver confirmada a sua eleição.

Dos projetos que estão em curso, José Costa assegurou que “haverá continuidade nos quais existe o assumir da responsabilidade do Instituto” e “o que está bem é para melhorar e os aspetos que estão menos bem” vão ser algo de discussão.

“São aqueles que temos de dialogar com as escolas, com as pessoas, com os estudantes, com os colaboradores no sentido de vermos o que é melhor para a instituição”, prometeu o presidente eleito que, na sua apresentação, assumiu “a comunicação como base” de todo o trabalho.

Defende ainda “mais envolvimento na região” como “o maior propósito, ou seja, a nossa inserção na comunidade tem de ser potenciada, obrigatoriamente, e essa relação tem de ser profícua em termos de maior capital social, neste caso estudantes, para o instituto”, afirmou.

Quer ainda dinamizar as relações com municípios, com as comunidades intermunicipais, com as escolas secundárias e profissionais “para capitalizar a vinda desses estudantes para o nosso Instituto”, especificou. “Queremos um Instituto onde o talento se possa fixar, onde as empresas possam vir buscar esse talento, mas precisamos de ter uma conjugação de esforços entre o que é o mundo académico e o mundo da comunidade com empresas, com instituições públicas e privadas para sedimentar isto e sustentar o Instituto”, reforçou.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm.