Juíza mantém prisão preventiva para Melchior Moreira - Edição Jornal
25071
post-template-default,single,single-post,postid-25071,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Juíza mantém prisão preventiva para Melchior Moreira

Juíza mantém prisão preventiva para Melchior Moreira

O ex-presidente da Turismo do Porto e Norte de Portugal, Melchior Moreira, natural de Lamego, vai manter-se em prisão preventiva.

Cumpridos três meses sobre a prisão preventiva do ex-deputado do PSD de Viseu, no âmbito da operação Éter, uma investigação da Polícia Judiciária sobre a alegada viciação de procedimentos de contratação pública que culminou com a indiciação de cinco arguidos, entre os quais o empresário viseense José Agostinho, da Tomi World.

A lei indica que os pressupostos para a prisão preventiva devam ser reexaminados de três em três meses, mas a juíza de instrução criminal Isabel Ramos proferiu um despacho mantendo a prisão preventiva para Melchior Moreira. A juíza justificou considerando que “os pressupostos” para a decisão se “mantêm inalterados”, apesar da defesa ter pedido que a medida de coação fosse alterada para “apresentações periódicas”, lembrando que Melchior Moreira já não tinha ligação ao Turismo do Norte depois da eleição no passado dia 18 do novo presidente.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm