Laboratório de Radioatividade da Universidade de Coimbra quer um mapa de risco para a exposição a radiações - Edição Jornal
24837
post-template-default,single,single-post,postid-24837,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Laboratório de Radioatividade da Universidade de Coimbra quer um mapa de risco para a exposição a radiações

Laboratório de Radioatividade da Universidade de Coimbra quer um mapa de risco para a exposição a radiações

Os responsáveis pelo Laboratório de Radioatividade Natural da Universidade de Coimbra defendem a criação de um mapa de risco para a exposição a radiações em Portugal.

Integrado no Departamento de Ciências da Terra da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra o laboratório é agora o primeiro da Península Ibérica a obter acreditação para avaliação de todos os parâmetros radiológicos de acordo com as exigências impostas pela União Europeia sobre proteção contra os perigos da exposição a substâncias radioativas naturais.

Esta radioatividade, lembram os responsáveis pelo laboratório, está presente no meio ambiente e tem origem em elementos naturais, como a água, o ar e os materiais de construção, entre outros. Defendem, por isso, a elaboração de “um mapa de risco que identifique as zonas mais problemáticas do país no que respeita à exposição do ser humano a radiações ionizantes de origem natural”, lembrando que a zona Centro do país é a “mais afetada pelos problemas associados à exposição de radiações de origem natural”.

Fundado em 1999, o Laboratório de Radioatividade Natural da Universidade de Coimbra tem vindo a desenvolver o projeto de recuperação ambiental das minas de urânio da Urgeiriça, em Canas de Senhorim, no concelho de Nelas, e na recuperação das casas dos antigos mineiros, considerado pioneiro a nível mundial.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm

Foto: DR