MUNICÍPIO DE VISEU ATRIBUI 'MEDALHA DE OURO' A ALMEIDA HENRIQUES - Edição Jornal
46100
post-template-default,single,single-post,postid-46100,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

MUNICÍPIO DE VISEU ATRIBUI ‘MEDALHA DE OURO’ A ALMEIDA HENRIQUES

MUNICÍPIO DE VISEU ATRIBUI ‘MEDALHA DE OURO’ A ALMEIDA HENRIQUES

A Câmara de Viseu aprovou hoje, por unanimidade, a atribuição da medalha de ouro a António Almeida Henriques, ex-presidente da autarquia que morreu no passado dia 4 de abril devido à covid-19,  e vai propor  à Assembleia Municipal a atribuição do Viriato de Ouro, a mais elevada condecoração de Viseu.

No final da reunião do executivo camarário, a presidente, Conceição Azevedo, disse à imprensa que “o homem que liderou o projeto político mais impactante do interior do país merece esta distinção e muito mais”.

“Com o presidente António Almeida Henriques, Viseu afirmou-se como a cidade portuguesa com mais qualidade de vida. Um trabalho do qual também queria usufruir, porque era em Viseu que queria continuar a viver, no concelho do seu coração, do qual com tanto carinho e orgulho falava”, afirmou a autarca.

Durante a reunião, foi também aprovada, por unanimidade, a proposta apresentada pelo vereador não executivo Jorge Sobrado de atribuir o nome de Almeida Henriques ao Polo Arqueológico de Viseu (PAV).

No entender de Jorge Sobrado, “a missão inovadora do PAV, o seu modelo integrado disruptivo, a sua operacionalidade e atuais resultados interpretam e honram a visão e o empenhamento de António Almeida Henriques enquanto edil, em torno de uma nova e arejada política local do património cultural em Viseu”.

Conceição Azevedo adiantou aos jornalistas que o município está também a ponderar a atribuição do nome de Almeida Henriques a uma das artérias da cidade e a um edifício que represente “realmente a abrangência do sonho que tanto sonhou para Viseu”.

“Entendemos que Almeida Henriques carece de uma obra mais emblemática, que agregue maior dimensão, todo o seu legado, toda a sua estratégia, a sua visão para Viseu. E, portanto, vamos pensar qual será o edifício”, justificou a autarca.

Almeida Henriques, que era presidente da Câmara Municipal de Viseu desde 2013, morreu no dia 04, aos 59 anos, vítima de complicações respiratórias decorrentes da covid-19.