PSD de Viseu acusa ARS do centro de ter rejeitado abertura de vagas para oncologistas no Hospital de Viseu - Edição Jornal
30620
post-template-default,single,single-post,postid-30620,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

PSD de Viseu acusa ARS do centro de ter rejeitado abertura de vagas para oncologistas no Hospital de Viseu

PSD de Viseu acusa ARS do centro de ter rejeitado abertura de vagas para oncologistas no Hospital de Viseu

Os deputados do PSD eleitos por Viseu acusaram a Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro de não ter autorizado a abertura de duas vagas para a contratação de oncologistas, situação, que segundo os sociais democratas, terá “motivando a rutura do serviço” no Hospital de Viseu.

Consideram que não se teria chegado à atual situação de rutura, denunciada por sindicato e Ordem dos Médicos,  “se a ARS Centro tivesse correspondido às reivindicações do concelho de administração e se o centro oncológico não tivesse sido um embuste do Governo e dos partidos que o suportam no parlamento”, pode ler-se no comunicado.

Os deputados estiveram reunidos com o presidente do concelho de administração do CHTV e foram informados de que, no início do mês de maio, tinham sido tomado medidas para responder às necessidades do serviço de oncologia, e antes de ter conhecimento do pedido de rescisão de uma oncologista do quadro. Terá então sido pedido à ARS do Centro a autorização para abertura de mais duas vagas a concurso para oncologista, mas apenas um terá sido autorizada, diz os deputados do PSD de Viseu.

A estas críticas dos sociais democratas, a ARS diz decorre um concurso para o preenchimento de uma vaga para oncologia para o Hospital de Viseu e que todos os pedidos de vagas apresentados pelo Centro Hospitalar são remetidos para os órgãos competentes.

Reforçando a reivindicação e um Centro Oncológico para o Hospital de Viseu, os deputados do PSD consideram ainda que “dois médicos em permanência e uma médica com horário reduzido não dão resposta às necessidades permanentes do serviço”.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária-96.8 FM ou em www.968.fm

*****