Sindicato critica horários do MUV e pede a intervenção da Autoridade para as Condições do Trabalho - Edição Jornal
27179
post-template-default,single,single-post,postid-27179,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Sindicato critica horários do MUV e pede a intervenção da Autoridade para as Condições do Trabalho

Sindicato critica horários do MUV e pede a intervenção da Autoridade para as Condições do Trabalho

O Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos de Portugal quer que a Autoridade para as Condições do Trabalho intervenha no serviço de Mobilidade Urbana de Viseu (MUV). Em causa, segundo o sindicato, estão os horários que foram estipulados pela empresa concessionária do serviço, a Berrelhas, e que entraram em vigor a 2 de abril.

Depois de um plenário de trabalhadores, o sindicato quer que os horários sejam retificados e classifica os atuais de “insuportáveis” para os motoristas. Em causa, entre outros aspectos, está “o tempo de descanso que é obrigatório por lei e os horários têm de ser compatíveis com o trânsito”, defendeu o sindicalista Hélder Borges que considerou ainda que “os atuais horários do MUV não dão para cumprir” e que os motoristas estão a “entrar em stress “.

O sindicato quer a situação resolvida rapidamente e na próxima terça-feira, e quer que a Autoridade para as Condições de Trabalho diga se “os atuais horários são ou não são legais”.

O MUV, o novo serviço de transporte públicos está em vigor no concelho de Viseu desde 2 de abril, e tem horários mais alargados do que anterior serviço que era assegurado pelos STUV, com autocarros em circulação desde as 6h00 da manhã.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm

*****