SINISTRALIDADE NAS ESTRADAS A BAIXAR DESDE O INÍCIO DO ANO - Edição Jornal
43423
post-template-default,single,single-post,postid-43423,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

SINISTRALIDADE NAS ESTRADAS A BAIXAR DESDE O INÍCIO DO ANO

SINISTRALIDADE NAS ESTRADAS A BAIXAR DESDE O INÍCIO DO ANO

Nos primeiros 10 meses do ano foram registados 21.337 acidentes com vítimas no continente, menos 8.098 acidentes com vítimas, e 336 óbitos, menos 61 mortes, do que em igual período do ano passado, segundo um relatório hoje divulgado.

De acordo com o relatório de sinistralidade e fiscalização da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) relativo aos primeiros 10 meses do ano, foram registados em Portugal continental 21.337 acidentes com vítimas, dos quais resultaram 336 óbitos ocorridos no local do acidente ou durante o transporte até à unidade de saúde, 1.518 feridos graves e 25.031 feridos ligeiros.

Os dados da ANSR revelam uma melhoria nos principais indicadores de sinistralidade, comparativamente com o período homólogo de 2019: verificaram-se menos 8.098 acidentes com vítimas (-27,3%), menos 61 vítimas mortais (-15,4%) menos 436 feridos graves (-22,3%) e menos 10.904 feridos leves (-30,3%).

Segundo a ANSR, a maior parte dos acidentes deveu-se a colisão (51,2% dos acidentes com vítimas, 43,4% dos feridos graves e 55,7% dos feridos leves), apesar do maior número de vítimas mortais ter resultado de despistes (+46,7%).

Face ao período homólogo, nesta tipologia de acidente verificou-se uma redução de 25 vítimas mortais (-13,7%) e de 84 feridos graves (-16,6%). Nos atropelamentos registou-se menos uma vítima mortal (-1,8%) e menos 151 feridos graves (-41,1%) e nas colisões verificou-se um decréscimo de 35 vítimas mortais (-22,0%) e de 201 feridos graves (-23,4%).

De acordo com o relatório a maioria dos acidentes com vítimas, bem como das vítimas, ocorreram em arruamentos: 62,7% dos acidentes, 34,5% das vítimas mortais, 43,3% dos feridos graves e 60,8% dos feridos leves.

Face ao período homólogo, o maior decréscimo de vítimas mortais e feridos graves, em valor absoluto, registou-se nos arruamentos (-14 e -261, respetivamente).

Pub

Pub

Os dados indicam também que 67,6% do total de vítimas mortais eram condutores, 15,2% passageiros e 17,3% peões.

O relatório da ANSR apresenta os dados de sinistralidade e fiscalização rodoviária em várias dimensões – dias da semana, período horário, fatores atmosféricos, natureza, localização, tipo de via, distrito, categoria de utente, categoria de veículo, entidade gestora de via e localização – bem como a comparação com os valores homólogos registados em 2019.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm.